Ouro Preto completa 308 anos de história com muitas atrações


O final de semana em comemoração ao aniversário da cidade foi marcado pelo encontro de vários eventos

Ouvir conteúdo
Por GREIZA TAVARES.em 11/07/2019

Shows agitaram as noites frias durante as comemorações do aniversário.
Imagem: Ane Souz

O último final de semana em Ouro Preto foi intenso com várias festividades, atrações e eventos, que aconteceram ao mesmo tempo, com destaque para o aniversário de 308 anos da Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade, além da abertura do Festival de Inverno 2019 e do “Corredor Cultural – entre Jacubas e Mocotós” nas ruas São José e Getúlio Vargas.

Para comemorar o aniversário da cidade, a Prefeitura de Ouro Preto preparou vários shows para todas as idades. Começando no sábado, 6, até a segunda-feira, dia 8 de julho, dia em que se comemora oficialmente 308 anos da antiga Vila Rica. Várias atrações marcaram esses dias, como a apresentação do tradicional Bloco Bandalheira Folclórica, que desde 1972 alegra o carnaval de Ouro Preto com seus integrantes tocando desafinados pelas ladeiras uniformizados e com um penico na cabeça. Na tarde de domingo, a criançada pode se divertir no Show da Luna. Houve ainda apresentações da Banda Phásis, DJ Simone e seus robôs, dupla Clayton e Romário e o grupo Oba Oba Samba House. Além disso, a festa contou com desfile da Escola de Samba Império do Morro Santana e com competições esportivas de futebol e vôlei.

A ouro-pretana Rosana Malta disse que foi a todos os shows à noite e gostou muito da movimentação na cidade, que, apesar de lotada, permaneceu em um clima tranquilo. “Gostei muito dos shows do Oba Oba Samba House e da DJ Simone, pois eles animaram o povo a dançar e espantar o frio, foi divertido”, contou.

Já para Eliane Malta, a tarde de domingo com as crianças foi mais proveitosa. “Levei meu sobrinho e minhas duas netas ao Show da Luna, que estava lotado de crianças, eles adoraram, a mais nova, de 4 anos, chorou quando a atração terminou, não queria ir embora”, afirmou.

Outro evento que marcou o final de semana foi a abertura do Festival de Inverno de Ouro Preto – 2019, na Casa da Ópera. A cerimônia contou com a presença de autoridades, como o Prefeito de Ouro Preto, Júlio Pimenta; o Secretário Municipal de Turismo Indústria e Comércio, Felipe Guerra; e o Secretário Municipal de Cultura e Patrimônio, Zaqueu Astoni. Os responsáveis pela organização do Festival falaram sobre esta edição, a respeito da proposta da programação e também da homenagem à manifestação cultural Cavalhadas de Amarantina, registrada como patrimônio imaterial de Ouro Preto, desde 2011. Houve apresentações musicais, como o Coral Família Alcântara, que entoou cânticos com influência da cultura africana.

Para completar as festividades, o “Corredor Cultural – entre Jacubas e Mocotós”, do último domingo, foi do lado dos “Mocotós”, ou seja, nas ruas São José e Getúlio Vargas. O evento contou com várias atrações ao longo das ruas, como a Trinca de Damas no Largo, com intervenção de Marcelino Ramos; o músico percussionista Castora; e o Grupo Boi Luzeiro.

A empresária Luciana Capute afirma que esse projeto foi muito importante para o comércio local, sobretudo nesse momento de crise econômica, e que, nas ruas São José e Getúlio Vargas, o projeto está em um momento de crescimento. “No último final de semana, o corredor cultural aconteceu juntamente com o aniversário da cidade e o festival de inverno e isso foi agregador, pois muitas pessoas passaram pelo local, curtindo as várias atrações”, destacou.

Durante o Festival de Inverno, a novidade é que o Corredor Cultural também acontecerá aos sábados. Segundo o Secretário de Turismo, Indústria e Comércio, Felipe Guerra, o projeto “Corredor Cultural – entre Jacubas e Mocotós” está inspirando outras cidades, como Mariana e Nova Lima, que também querem implementar atrações culturais nas ruas. “O projeto vem dando muito certo, tanto que a Câmara de Mariana convidou a Prefeitura de Ouro Preto e o Vereador Chiquinho de Assis, autor da lei, para que eles entendam e estudem a viabilidade de fazerem o mesmo lá; assim como Nova Lima e outras cidades do circuito do ouro, que também nos pediram o modelo de lei para fazerem o mesmo. Ouro Preto, que é um berço cultural, agora também vem exportando ideias de fomento ao turismo, à cultura e à economia”, relatou.

Um pouco sobre a história de Ouro Preto

Ouro Preto teve sua origem no arraial do Padre Faria, fundado pelo bandeirante Antônio Dias de Oliveira, pelo Padre João de Faria Fialho e pelo Coronel Tomás Lopes de Camargo, por volta do ano de 1698. Porém, foi elevada oficialmente à Vila, chamada então de Vila Rica, em 8 de julho de 1711, portanto, a cidade completa 308 anos.

Em 1720, Vila Rica foi escolhida para capital da nova capitania de Minas Gerais. Em 1823, após a Independência do Brasil, Vila Rica recebeu o título de Imperial Cidade, conferido por D. Pedro I, tornando-se oficialmente capital da então província das Minas Gerais e passando a ser designada como Imperial Cidade de Ouro Preto.

Foi a capital da província e mais tarde do estado, até 1897. A antiga capital de Minas conservou grande parte de seus monumentos coloniais e em 1933 foi elevada a Patrimônio Nacional, sendo, cinco anos depois, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN. Em 5 de setembro de 1980, na quarta sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, realizada em Paris, Ouro Preto foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade.

Alerta Meteorológico

Estado de atenção
 
  
 
 
saiba mais

Receba notícias da Prefeitura

×